Venha...

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

 

Você não precisa fingir para mim.
Eu sei que cada célula do seu corpo clama pelo meu,
Que ao se aproximar de mim, seu coração acelera,
e chega quase a abrir um buraco em seu peito.
 Não tente fingir, não fuja, não corra!
Chegue mais perto, sinta o meu perfume,
Me faça carinho, beije-me os lábios.
Diga-me ao pé do ouvido o que sente.
Permita-me sentir a sua pulsação (super) agitada...
Eu preciso disso!
Eu preciso te sentir perto...
Venha!
Não vai ser preciso arrombar a porta,
mesmo após tanto tempo, ela continua aberta para você...
Eu continuo a te amar, e eu sei que não sinto sozinha.
Me tome em seus braços, sem medo.
Venha, diga que me ama,
antes que seja tarde demais...



"Chegue bem perto de mim. 
Me olhe, me toque, me diga qualquer coisa. 
Ou não diga nada, mas chegue mais perto. 
Não seja idiota, não deixe isso se perder, 
virar poeira, virar nada..."
Caio F. Abreu




2 comentários:

Moni. disse...

Usa da autoridade de quem sente.
E essa é a mais legítima!

Lindo, flor!

Beijos!

Anônimo disse...

Você será a escritora da próxima geração sara, parabéns!